© Semente Estratégica

  • Black LinkedIn Icon
  • Flávio Oliveira

Coaching executivo na formação de lideranças


A necessidade de contínuo desenvolvimento dos profissionais, reforçada por um ambiente de alteridade imprevisível, complexo e ambíguo, constitui-se atualmente uma das grandes preocupações das organizações contemporâneas. O desafio organizacional, e dos próprios executivos, é buscar alternativas de desenvolvimento individual com respostas assertivas e eficazes. Adicionais à formação tradicional, demandou novas abordagens e alternativas que atendessem a velocidade do mundo dos negócios.


As áreas de recursos humanos e as lideranças, no nível estratégico, tiveram de se adaptar a este novo contexto e se reinventar os modelos de gestão, buscando um novo formato para o desenvolvimento de seus times. As dificuldades dos executivos de aprenderem mais rápido sobre o negócio, e sobre as relações internas e externas, exigiu novos modelos e ferramentas de desenvolvimento das competências técnicas, comportamentais e gerenciais.

Diante deste cenário, ferramentas como o executive coaching, começaram a ganhar força. O coaching de executivos está se tornando lugar comum no desenvolvimento de lideranças e como ferramenta de transição em âmbito internacional. Pesquisas realizadas em organizações do mundo inteiro apontam para uma escassez de lideranças. Há necessidade de líderes em setores e áreas funcionais de todas as indústrias, e em todos os níveis das organizações.


Um estudo de 2008 da American Management Association (AMA) comprovou que o coaching está associado ao desempenho de qualidade nas organizações e, ainda assim, é utilizado por apenas metade dessas. O coaching continua a conquistar adeptos e apoios, tratando-se de um campo que oferece consideráveis oportunidades de crescimento profissional.


* Trecho retirado do trabalho EXECUTIVE COACHING: UMA INVESTIGAÇÃO DOS FATORES FACILITADORES E DIFICULTADORES NA VISÃO DOS AGENTES ENVOLVIDOS NO CONTEXTO ORGANIZACIONAL de Marco Antônio Vieira, Rafael Marcus Chiuzi e Marcos Aurélio de Araújo Ferreira.